segunda-feira, 15 de abril de 2013

Virgínia Rosa emociona público cantando Clara Nunes


Virgínia Rosa e eu após o show
Com um misto de emoção e carinho, a cantora paulistana Virgínia Rosa conseguiu exprimir muito mais do público cativo que conseguiu sambar, cantar e se emocionar cantando as músicas eternizadas por Clara Nunes. O tempo não estava propício aqui em São Paulo: chovia e fazia muito frio, mas as mesas foram todas tomadas e amparadas por todas as faixas etárias e por saudosistas que sentiram a presença de Clara. Quando Virgínia Rosa adentrou no local, vestida de branco com um colar no pescoço (que fazia lembrar as miçangas de Clara), o clima esquentou e uma saraivada de palmas ecoou. Virgínia Rosa cantou, emocionou e foi louvada pelo público ali presente. Sua voz poderosa eclodiu todo o teatro e o público ficou arrepiado a cada término de música.

Houve um momento marcante no show: assim que Virgínia terminou de cantar a primeira música, um senhor foi em sua direção ao palco e entregou-lhe uma pétala de flor. Foi um momento único e sublime, que deixou a todos maravilhados, inclusive a cantora, que, após o show, esteve com a pétala presente em suas mãos e por onde caminhava. Seu Nélson, que gesto espetacular e que ficará para sempre em minha memória e na memória de todos ali presentes. Parabéns.

Virgínia começou o show pontualmente às 15 horas, acompanhada de excelentes músicos. Cantou com determinação as músicas imortalizadas de Clara, como Tristeza, Pé No Chão, Galou Cantou, Menino Deus e quando O Mar Serenou surgiu, todos cantaram em uníssono, dando a sensação de que Clara estava presente.

Virgínia conseguiu uma façanha e tanta: ser diferente das muitas homenagens que estão por ai em homenagem aos 30 Anos Sem Clara. O show é marcado por sensibilidade (Basta Um Dia / Ser de Luz), emoção (O Mar Serenou), arrepios (O Canto das Três Raças / Iansã Cadê Ogum) e grandezas, como no caso de Nação e Morena de Angola, em que canta o refrão em língua africana. Um show a parte, Virgínia captou de uma senhora gentil e honesta a singela e cortante frase: Você é Luz! Não contive a vontade de chorar. Essa senhora gentil e honesta e que na qual Virgínia Rosa se encantou, chama-se dona Olga, uma fofura de senhorinha!

Virgínia é digna de homenagear Clara. Além de ter voz capaz de alcançar notas impensáveis, consegue cantar todas as músicas sem tropeçar, mantendo fôlego suficiente para engatar uma nova canção e sem errar ou trocar as letras. Cantou divinamente Feira de Mangaio e sambou ao som de Portela na Avenida.

Ainda assim, Virgínia Rosa continuará se apresentando Brasil a fora o espetáculo em que homenageia Clara Nunes e recomendo este grande show, com uma grande voz e com uma grande cantora, chamada Virgínia Rosa.
 
Foto 1: Virgínia e eu após o show
Foto 2: a pétala de flor entregue por seu Nelson a Virgínia Rosa ao fim da primeira música, Juízo Final. Emoção à flor da pele.

 

Virgínia Rosa canta Clara Nunes

Marcelo Teixeira

2 comentários:

Roseli disse...

Perfeito, Marcelo você soube traduzir em palavras meu sentimento ontem a tarde. A senhora da frase é minha mãe (Olga). Abraços

Marcelo Teixeira disse...

A satisfação neste momento em que leio o seu depoimento, Roseli, é única! Virgínia Rosa conseguiu emocionar a todos ali presente, até a sua mãe, dona Olga, me emocionou. Que esses e outros gestos venham acontecer mais e mais. Um super beijo!