terça-feira, 2 de julho de 2013

Naldo, Anitta e os piores da música atual


Naldo: a pior revelação musical
Naldo engoliu Latino, que engoliu o desejo de conhecer o ostracismo da TV e de grandes mídias. Naldo recentemente veio embalado por um grande sucesso que o povo de massa encefálica oca aderiram ao cardápio musical, fazendo que o cantor estourasse de ponta a ponta do país. Se Latino era o queridinho da música de quinta categoria no Brasil, hoje o posto é reconhecidamente do canastrão Naldo.  MC Leozinho, Tati Quebra-Barraco, Bonde do Tigrão, MC Marcinho, Claudinho Nervoso, Bonde do Lambe Lambe, MC Cris, Os Magrinhos, Latino, Deize Tigrona, MC Buiú e MC Alex deveriam ser presos, torturados, encaixotados e jogados ao mar, de preferência próximo a tubarões brancos. Se esse tipo música reflete a vida e cultura das favelas, eles que fiquem por lá cantando suas letras imbecis, machistas e marginais. O Brasil já é tão violento, e ainda por cima temos que aguentar um tipo de música que torna os jovens ainda mais burros, desinteressados e intolerantes. O funk carioca, hoje comandado por homens e mulheres de baixo nível, não é cultura, é a marginalização da música brasileira, o podre, o esgoto que subiu. As mulheres aprendem a serem biscates logo cedo, a serem as cachorras do negócio. Já os homens crescem machistas, malandrões e achando que mulher é igual banana – come e joga a casca fora.

Anitta é o pior elemento musical que surgiu nos últimos tempos e eu não sei quanto tempo ela ficará no comando de um microfone. Bonita, sim, mas muito vulgar e muito chata. Adepta do funk melody, que mistura o romantismo à batida de tamborzão --o famoso e onipresente tchu, tcha--, Anitta já é chamada por muitos no meio de o Naldo de saias, em referência ao cantor de Amor de Chocolate, o hit do uísque ou água de coco.

Um país que já teve roqueiros como Renato Russo e Raul Seixas, Cazuza e Lobão, hoje tem que aguentar esse bando de cantores enrustidos como Fresno, Hori, Strike, Cine, Restart, NX Zero e CPM 22. Os caras cantam chorando, o instrumental é um hardcore sem a mínima pegada e a postura é muito mauricinho querendo ser proletariado. Isso quando eles não inventam fazer balada, pois daí você não sabe se está ouvindo a uma dessas bandas citadas ou a uma das duplas sertanejas universitárias que andam empesteando o ambiente.

É tudo a mesma porcaria! Não importa a música, e sim se os caras são bonitinhos, se tem o cabelinho assim, se usam as roupinhas assado, e por aí vai. É aquele tipo de rebeldia frágil para os adolescentes – época em que ficamos idiotas, espinhudos, feios e nos apaixonamos pelo primeiro poste da esquina. Deveriam mudar logo o rótulo desse tipo de rock para Bunda Mole Music.

Outros dois que entram na onda do pop/ rock são o Jota Quest e o Charlie Brown Jr. Os dois tem respeito, acumulam sucesso e bla bla bla, mas são o mais puro lixo do pop brasileiro. Eu não entendo uma palavra que o Chorão canta e acho a postura de sou fodão, sou perigoso a coisa mais estúpida do mundo. Ao menos o tal chorão se foi! Já os caras do Jota Quest são capazes de vender até a mãe para alcançarem o sucesso. Seu repertório é cheio de canções manipuladoras, altamente descartáveis e fritinhas para o sucesso. Não há sinceridade em nada!

Ao assistir o clipe da caipirinha do Piaíu chamada Stefhany, no YouTube, eu tive a plena certeza de morar em um país atrasado. Como uma música tão ruim pode fazer sucesso? Mas ela é só a ponta do iceberg: o forró é um pé no saco e ainda temos Banda Calypso e Calcinha Preta para aturar. Em 2009 o Melhor Prêmio da Música Brasileira foi entregue ao Calcinha Preta: música chata, reta, idiota. Só fez sucesso por causa da novela “Caminho das Índias”, senão ninguém – mas ninguém mesmo – teria prestado atenção. Porém o sertanejo é um gênero que definitivamente não me faz mal. Eu até acho bastante divertido aquelas músicas ao estilo de cerveja e cornice. É milhões de vezes melhor do que o pagode, o forró sem sal (não aquele que conheci em João Pessoa ou os tradicionais feito por Luiz Gonzaga, Fagner ou Dominguinhos), a axé e principalmente o funk carioca. Mesmo assim, não entra na minha cabeça tanta babação de ovo em cima do pirralho Luan Santana. Eu havia dado 1 ano para que ele sumisse do mapa. Ainda não aconteceu, mas sua música está desaparecendo aos poucos. As adolescentes que hoje choram por ele amanhã estarão sofrendo de amor por outro galãzinho qualquer.

O samba de raiz é o que há de melhor na MPB, mas o pagode chegou para estragar tudo. Mesmo longe dos áureos tempos (diga-se segunda metade dos anos 90), a ruindade do pagode ainda existe. Netinho de Paula, Exaltasamba, Sorriso Maroto, Belo, Pixote, Alexandre Pires e Samprazer são insuportáveis. Não estou nem aí se eles são famosos, ganharam prêmios, lotam estádios e o caramba a quatro. Todo mundo toca mal, canta mal e compõe pior ainda, com aquelas letrinhas chulé de rimas infantis e romantismo de duplo sentido. Não entendo por quê pagam tão alto para ver Alexandre Pires. Ele é menos que nada. O Netinho de Paula pode se gabar por ter a voz mais chata do universo; seus chorinhos me dão enxaqueca. O Belo não tem o menor talento pra nada, e os outros três aí – os grupos Pixote, Sorriso Maroto, Exaltasamba e Samprazer – são mais insignificantes do que bactérias.

 

Naldo, Anitta e os piores da músical atual

Marcelo Teixeira

8 comentários:

carlos disse...

TU CRITICA GERAL EM FERA HAHAHAHA
MAS CONCORDO EM BOA PARTE DO Q VC FALOU, PRINCIPALMENTE DA ANITTA, Q PUTA MERDA DE GAROTA CHATA

greice disse...

Concordo contigo cara! Depois que os bons morreram, surgiu a lixarada. Mas a culpa é do povão que 'bota pilha' nestas porcarias. Ninguém quer saber de uma Legião Urbana ou de um Tim Maia, Preferem os ratos dos esgotos. Parabéns pelo blog! Se todos tivessem opinião igual a nossa não estaríamos contaminados por esta doença que se tornou a nossa música.

Marcelo Teixeira disse...

Um dos motivos para eu criar o Mais Cultura! foi justamente bradar contra esses cantores que surgem do nada e fazem sucesso como se fossem uma Elis, uma Clara, um Caetano. Temos que tentar limpar a área e mostrar à esses ascos que eles não sabem nada de música. E graças à leitores como vocês é que consigo escrever ainda com mais fúria. Grato!

Roberta Saraiva disse...

Vc disse tudo!! Ontem o meu cunhado entrou dando chilique no meu Facebook só pq eu postei uma canção do Cazuza e disse: Desculpem os fãs de Anitta e similares mas eu gosto de MÚSICA! Ele escreveu um monte de baboseira, as quais preferi nem responder. Tenho colegas e amigos que gostam dessas merdas mas até entendo por serem pessoas que não tem muito acesso à música de qualidade. Agora, uma pessoa que tem acesso à cultura, que se orgulha de ver seu filho pequeno dançando funk entrar no meu perfil por se sentir ofendido pq eu falei unicamente a verdade? Sinceramente, vc falou por mim e por muitos que não entendem o pq desses lixos fazerem tanto sucesso com suas canções chulas e letras pobres...
Roberta Saraiva

Roberta Saraiva disse...

Vc disse tudo por mim! Ontem o meu cunhado entrou dando chilique no meu Facebook pq eu postei uma canção do Cazuza e disse: Desculpem os fãs de Anitta e similares mas eu gosto de MÚSICA! Até entendo quando uma pessoa que não tem muito acesso gosta dessas porcarias. Agora, uma pessoa que tem recursos e acesso a tudo o que é bom culturalmente falando mas se orgulha de ver seu filho pequeno dançando funk e acha bonitinho...nem respondi pois não discuto idiotices tão evidentes quanto essas merdas que chamam de música brasileira hoje...a criança é sim influenciada musicalmente pelo meio em que vive. Cresci ouvindo música e rádios de qualidade e não me acho mais entendida que ninguém musicalmente falando. Mas posso dizer sim que desenvolvi um gosto musical bastante apurado e posso sim saber o que é música e o que é modinha do povão!!

Hélia Aristeu disse...

A música popular brasileira está morrendo e com elaa poesia querer a alma da canção.Hoje, nao vejo razão para chamar funk de música com repetidos chu e cha.
É lamentável o que estão fazendo coma música do Brasil.

KATIA CILENE DE OLIVEIRA GOMES disse...

A música brasileira manteve seu alto nível até o início dos anos 90, quando surgiram bandinhas de pagode a axé sem graça, com músicas de duplo sentido e incentivo a erotização. Ao chegar aos anos 2000 vemos a decadência que culmina com esse funk e sertanojo univerchifário sem graça! Não quero nem imaginar o que virá depois disso!
João Carlos

Fabio Jorge disse...

Antigamente só fazia sucesso quem realmente tinha talento,as músicas do passado eram verdadeiras poesias.
Hoje em dia qualquer lixo faz sucesso,com letras da pior qualidade.A música brasileira hoje está literalmente na LAMA sendo representada por um bando de idiotas e arretardados que se acham artista.Isso porque vivemos em um país atrasado em todos os sentidos,um país de quinta categoria.Esses lixos jamais fariam sucesso em um país de primeiro mundo.